Capsaicina: o composto químico mais importante das pimentas

Compartilhe!

O composto químico conhecido como capsaicina é um capsaicinoide encontrado nas pimentas, principalmente, nas picantes e vermelhas. É justamente tal substância que faz com que certas pimentas tenham uma ardência marcante e bastante característica.

Não obstante, a utilidade da capsaicina não se restringe a melhorar e potencializar o sabor dos alimentos. Há uma ampla gama de estudos que indicam que ela proporciona uma série de benefícios ao organismo humano.

Em que consiste a capsaicina?

As plantas são responsáveis pela produção da capsaicina. Todavia, ela pode ser definida como uma substância incolor, inodora, além de ser insolúvel. Vale destacar que é possível encontrá-la, também, nos gengibres, embora em quantidades moderadas.

A substância está presente em todas as pimentas. Ela serve, desde um ponto de vista biológico e evolutivo, como defesa perante os ataques de eventuais predadores. Sem embargo, os teores de capsaicina variam consideravelmente entre os distintos integrantes do gênero cuja nomenclatura científica é “Capsicum”.

Quando em reduzidas concentrações, a substância propicia ardor na boca, muito familiar para as pessoas habituadas ao consumo de pimentas ardidas. Porém, em maiores concentrações, há um excessivo estímulo de neurônios sensoriais, o que pode provocar uma sensação levemente dolorosa.

Principais efeitos da Capsaicina

Uma vez que a capsaicina conta com propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, ela pode ser usada como auxiliar ao tratamento das dores originadas por enfermidades reumáticos. Além disso, seu composto tem efeitos antioxidantes e protetores do sistema cardiovascular.

Entre as demais propriedades dessa substância altamente benéfica ao corpo humano, destacam-se:

  • Combate à depressão;
  • Melhoria da circulação sanguínea;
  • Descongestionante nasal;
  • Prevenção de diabetes;
  • Acelera o metabolismo;
  • Prevenção de alguns tipos de câncer.

Capsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina

Onde encontrar a capsaicina?

Conforme mencionado, quanto mais intensamente ardida uma pimenta, tanto maior é o teor de capsaicina nela presente.

Algumas das mais fortes pimentas brasileiras são a caiena, dedo-de-moça, pimenta-de-cheiro (há variedades bem mais ardidas do que outras), chili (variedade de malagueta), cumari e malagueta vermelha.

A capsaicina possui efeito emagrecedor?

Todos gostaríamos de adicionar um pouco de pimenta à nossa dieta e, paulatinamente, ver as indesejáveis gordurinhas derreterem, não é mesmo? Todavia, se não é possível afirmar que a capsaicina, de fato, emagrece, ela pode, ao menos, ser uma poderosa aliada para quem deseja perder peso.

Dito de outra forma, as propriedades dessa substância fazem com que ela seja de grande ajuda para vencer a luta contra as balanças. Confira, a seguir, como isso acontece.

Apetite

Uma pesquisa científica publicada pelo período especializado Clinical Nutrition comprovou que a capsaicina promove redução de apetite. Nos experimentos realizados, 27 participantes foram observados pelos pesquisadores.

A conclusão: quando combinada com chá verde, a substância efetivamente auxiliou os participantes a sentir menos fome. Consequentemente, houve menores consumos de calorias diárias de cada um deles.

Outro estudo, publicado pelo Jornal Europeu de Nutrição (em tradução livre), apontou um dos principais mecanismos a partir dos quais a capsaicina controla o apetite. Trata-se da inibição do hormônio grelina, responsável pela intensidade da sensação de fome.

Por fim, de acordo com um artigo publicado pelo The New York Times, ingerir molho apimentado antes das refeições resulta em ingestão de cerca de duzentas calorias a menos, relativamente ao prato principal.

Metabolismo

A capsaicina, além de diminuir a fome, também pode acelerar o metabolismo. Segundo uma revisão científica de grande alcance, publicada pelo periódico Appetite, ela pode elevar os gastos energéticos do organismo humano em 50 calorias.

Esse resultado pode ser explicado pelas características termogênicas da substância. Ela promove uma ligação com os receptores de calor na derme, incrementando a temperatura do corpo.

Isso significa que, quem tenta emagrecer e, como parte de sua estratégia, consome a capsaicina, experimenta uma aceleração do metabolismo que se traduz em maior mobilização de suas reservas de gorduras corporais.

Em outras palavras, a capsaicina auxilia a queima de gordura por meio da elevação da temperatura média do organismo.

Gordura

Outro dos benefícios da substância para a redução do peso consiste no fato de que ela dificulta o acúmulo excessivo de gordura corporal. A publicação científica Journal of Proteome Research divulgou um estudo em que se dividiu animas de laboratórios em três grupos distintos:

  1. Dieta com altos teores de gordura e capsaicina;
  2. Dieta com altos teores de gordura e
  3. Dieta normal.

A pesquisa durou 2 meses e, ao final, constatou-se que todos os animais estudados engordaram. Entretanto, aqueles que receberam capsaicina ganharam 8% a menos de peso que os restantes.

Para os pesquisadores, tais valores foram interpretados como consequência direta da substância, que atuou para regular os genes envolvidos nos processos de acúmulo de gorduras.

Logo, a capsaicina, além de queimar gorduras previamente armazenadas no organismo, impede que novas reservas de gordura se constituam, principalmente, na região abdominal.

Capsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina: o composto químico mais importante das pimentasCapsaicina

Outros benefícios da capsaicina

Embora as propriedades anteriormente descritas sejam bastante atraentes, os benefícios da capsaicina não se resumem à sua atuação sobre o apetite, o metabolismo e a gordura corporal. Pensando nisso, elencamos, a seguir, outros importantes benefícios que podem ser acessados ao consumir capsaicina:

Melhorar o humor

A sensação de “queimação” provocada pela capsaicina gera uma reação do corpo. Isso ocorre por meio da liberação da endorfina – neurotransmissor que impede os neurônios de transmitirem sinais de dor.

Concomitantemente, o cérebro libera a dopamina – neurotransmissor que exerce efeito relaxante, responsável pela sensação de bem-estar. Para muitos, essa seria uma das possíveis explicações para o hábito que muitos indivíduos têm de consumir certas pimentas que são extremamente picantes.

Ação anti-inflamatória e antioxidante

Ao longo das últimas décadas, foram publicados uma série de estudos que comprovam as propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes da capsaicina. Ela inibe as alterações bioquímicas que são provocadas pela exposição humana à radiação.

Ademais, a substância diminui consideravelmente a oxidação de proteínas e lipídios (prevenindo uma elevação do colesterol LDL). Ela é capaz de reduzir as perdas de funções das enzimas glutationa peroxidase e superóxido dismutase (SOD). Ou seja, age diretaente sobre duas importantes defesas antioxidantes de nosso organismo.

Dessa forma, a capsaicina não só combate os danos celulares engendrados por radicais livres. Lembre-se de que ela é útil, também, para proteger o corpo do estresse oxidativo proveniente dos raios ultravioletas, das substâncias químicas presentes nos alimentos e da poluição atmosférica.

Compartilhe!

Comments are closed.