Grávida pode comer pimenta? Mitos e verdades

Compartilhe!

Grávida pode comer pimenta

A gestação é um período cheio de transformações físicas e hormonais no corpo das mulheres, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do bebê.

Muitas vezes, os alimentos que eram consumidos antes da gestação podem promover reações diferentes no organismo de algumas pessoas e, com isso, acabam surgindo diversas dúvidas em relação aos alimentos que podem ou não ser consumido durante esse período.

Veja também – Pimenta emagrece? Entenda os benefícios para a boa forma!

A pimenta está entre as questões que geram maior incerteza para as futuras mamães. E, para te ajudar a esclarecer suas dúvidas sobre a pimenta na alimentação, desenvolvemos este post, onde vamos abordar o que é mito e o que é verdade sobre esse assunto. Por isso, vale a pena continuar acompanhando essa leitura!

Neste artigo, listamos as perguntas mais comuns feitas pelas gestantes sobre o consumo da pimenta na gravidez. E você vai poder acompanhar:

  • Por que a pimenta é muitas vezes considerada uma vilã na gestação?
  • Veja o que é apenas mito em relação a pimenta
  • Saiba o que é verdade sobre o consumo da pimenta
  • O que você pode fazer quando houver reações
  • Entenda porque é importante manter hábitos saudáveis

Por que a pimenta é considerada uma vilã na gestação?

Embora o consumo seja bastante benéfico à nossa saúde, ela passou a ser considerada por muitas pessoas uma “vilã” na alimentação das gestantes. Isso porque existem muitas crenças e superstições em todo o mundo que atribuem a pimenta a diversos fatores de risco para as gestantes e, também, para os bebês. Mas será que a pimenta realmente faz mal durante a gestação?

Não há dados científicos que associam o consumo da pimenta seja em grãos, frutos, como especiarias, entre outros, a problemas que podem ser ocasionados durante a gestação.

E com tantas informações e conselhos oferecidos para as mulheres durante esse período é difícil, muitas vezes, entender se ela pode ser prejudicial ou não à saúde.

Mitos

Se você está gestante, provavelmente já deve ter ouvido que a pimenta é prejudicial tanto para a mãe quanto para o desenvolvimento do bebê. Muitas dessas histórias e mitos foram passando por gerações, trazendo insegurança para as mulheres.

Os especialistas afirmam que não há uma ligação direta entre comer esse produto com problemas de má formação, abortos, nem tampouco cólicas em seu bebê, por exemplo. Mas, ainda assim, há quem prefira manter uma alimentação bastante restritiva em relação ao consumo de pimentas.

Veja também – Pimenta Branca: origem e benefícios da especiaria

Para você ter uma ideia, existem países como o Japão em que acredita-se que, se a mulher ingerir pimenta na gravidez, o bebê poderá ter um temperamento forte. Já nos EUA, por exemplo, acredita-se que o bebê possa ter marcas de nascença pelo fato da mulher ter tido desejo de comer pimenta durante o período da gravidez.

Por isso, vale pena ressaltar que todas essas e outras tradições relacionadas à pimenta são apenas mito.

Verdades

Embora a gestação seja um processo relativamente comum e seu corpo esteja preparado para promover o crescimento e desenvolvimento do bebê durante um determinado período, é comum que algo que fazia parte dos seus hábitos diários, como consumir pimentas, passe a se tornar tão desconfortável.

O que muitas vezes acontece é que, como o pH da região do estômago se modifica em função da própria gestação, muitas mulheres relatam sentir forte desconfortos e azias quando consomem pimenta durante gravidez, que já é algo bastante comum no primeiro trimestre.

Comer pimenta na gestação

Outra reclamação recorrente das futuras mamães é o aparecimento de hemorroidas. Por isso, algumas mulheres acabam associando isso ao consumo de pimenta. Entretanto, o que os especialistas afirmam é que já existe uma propensão maior a se desenvolver hemorroidas na gestação.

O que intensifica o desconforto, nesses casos, é a sensibilidade que se torna maior quando é feito o consumo de pimentas. Mas fique calma! Isso não significa que você desenvolverá o problema apenas por ter comido pimenta, por exemplo.

O que você pode fazer quando houver reações

Caso você tenha consumido algum tipo de pimenta em excesso, é possível que sinta os efeitos da capsaicina.Apesar do nome complexo, essa é uma substância presente nas pimentas que oferece uma ardência bastante característica desse produto.

Nesses casos, você pode comer um pão ou tomar um copo de leite, para aliviar a sensação de ardência. Ou, mesmo se ainda assim os sintomas permanecerem, a dica é procurar um médico para relatar o extremo desconforto.

Mantenha hábitos saudáveis durante a gravidez

Embora existam muitos mitos e verdades quando o assunto é o consumo das pimentas na gestação, é muito importante manter hábitos saudáveis nesse período, pois, em geral, seu corpo precisará por diversos processos a fim de ajudar no bom desenvolvimento do bebê.

E parte importante é evitar o consumo exagerado de qualquer alimento, assim como da pimenta também. Você também deve inserir na sua rotina a prática de atividades físicas regularmente, com o objetivo de tornar sua gestação mais saudável e permitir que seu bebê possa crescer bem.

Conclusão…

Como você viu neste post, a gestação é um período cheio de transformações físicas e hormonais no corpo das mulheres, com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento do bebê. Por isso, muitas mulheres acabam tendo dúvidas sobre o que é possível ou não consumir.

Mostramos também que, embora não exista estudos que apontem uma relação direta entre o consumo de pimentas na alimentação a problemas em gestantes e bebês, existem muitos mitos e verdades relacionados a esse assunto.

Veja também – Geleia de pimenta: aprenda 10 deliciosas receitas!

Assim, mesmo que as crenças e tradições populares relacionem a pimenta a problemas futuros, saiba que é possível sim trazer os benefícios desse produto para a sua rotina. Mas, lembre-se sempre de comer de forma moderada e aliar também à sua a vida a prática de exercícios físicos e uma rotina saudável.

Dessa forma, é possível usufruir desse momento tão especial da vida que é a chegada de um bebê.

Gostou desse artigo? Então compartilhe essas informações com amigos e familiares e deixe conosco também seu comentário.


Compartilhe!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *